Soy loco – mas no mucho…

Corro (de) muitos sonhos,
alguns vazios,
outros nem tanto
alguns com encanto
outros puro desenganos…

Corro o vento do tempo
Corro como o louco
que vai ao longe,
sem saber para onde…

Corro do mim mesmo
e, no dia que chegar
talvez me encontre…

Paulo Alfuns

* publicada originalmente no dia 06/12/2016 na minha ex página Curti poesia numa rede social…

Quando olhava para o futuro

Olhei nos seus olhos
e vi o mar
Vi o infinito no meu futuro
um futuro de brilho
de falso brilho,
de luz difusa branca

Olhei no seu corpo
o caminho do mapa,
que vai me levar
a encontrar
tudo que um dia
deixei para trás

Olhei ao revés
e atrás do horizonte
estava seu rosto
de olhar estranho,
olhar em que eu me via
a cavalgar
em meio ao mar…

Paulo Alfuns

* publicada originalmente no dia 02/10/2016 na minha ex página Curti poesia numa rede social…

Travesti Sensual

Ela não era
Nem do bem e
nem do mal
Era de uns e de outros
e de quem lhe queria
Que a apontasse
como a tal…

Era uma travesti sensual
gozava empinadinha
liberando geral
Gata transexx, era
pra todos aqueles,
aquelas que queriam
só um relax

Carinha de gel
dourado,
seu corpo,
um recurso
de mistérios
alucinados

Não, eu não a comi
e só tô rimando aqui,
é pra me divertir,
rir, e quem sabe
também pra fazer
quem ler,
um pouco
mais feliz…

Paulo Alfuns

* publicada originalmente no dia 17/08/2016 na minha ex página Curti poesia numa rede social…

Poesia semi romântica

A jovem
correu para o rio,
foi buscar flores
para o seu sexo,
seu amor enfeitar…

Pena…
encantada a sonhar,
não viu uma pedra
da ladeira à deslizar…

Coitada,
atingida sem prever
no rio foi parar,
como não sabia nadar,
ali se deixou ficar…

foi encontrada a boiar
em seus lábios
o sorriso luminoso,
dos que partem, a sonhar…

Paulo Alfuns

*publicada originalmente em 10/07/2016 na ex página Curti poesia numa rede social…